PME são as instituições em que os portugueses mais confiam

As Pequenas e Médias Empresas (PME) são as instituições em que os portugueses mais confiam, com 65% de opiniões favoráveis. De acordo com o Observador Cetelem Consumo 2017, os Órgãos de Comunicação Social têm, igualmente, valores que demonstram confiança por parte dos inquiridos portugueses, com 47% de menções, número similar ao registado pelas grandes instituições internacionais, como a ONU ou o FMI.

 

As Pequenas e Médias Empresas (PME) são as instituições em que os portugueses mais confiam, com 65% de opiniões favoráveis. De acordo com o Observador Cetelem Consumo 2017, os Órgãos de Comunicação Social têm, igualmente, valores que demonstram confiança por parte dos inquiridos portugueses, com 47% de menções, número similar ao registado pelas grandes instituições internacionais, como a ONU ou o FMI.

Os consumidores portugueses consideram as PME as instituições mais confiáveis, com 65% de respostas positivas. Esta é uma tendência generalizada entre os 15 países europeus inquiridos pelo estudo do Observador Cetelem Consumo 2017, sendo que a média europeia é de 63%. Os austríacos e os dinamarqueses são os países que mais confiam nas PME (75%). Os húngaros são os mais reservas levantam, com apenas 43% dos inquiridos a manifestar a sua confiança nas pequenas e médias empresas.

Também os meios de comunicação tradicionais são merecedores de confiança para os consumidores portugueses. Somos, aliás, um dos países com melhores resultados (47%), apenas ultrapassados pelos dinamarqueses, com 61%, e os búlgaros, 48%. A média global europeia é de 40%. No caso de outros media na Internet, 43% dos portugueses inquiridos asseguram confiar nas informações de blogues ou fóruns, mais uma vez acima da média europeia (40%). Já as redes sociais merecem maior desconfiança e a sua aceitação não ultrapassa os 32%, apenas mais 1 ponto percentual que a média do estudo.

Os números do Observador Cetelem revelam ainda confiança nas grandes instituições (como a ONU e FMI). Neste caso, os portugueses encontram-se entre aqueles que mais acreditam nesses organismos, com 47% de confiança (média global de 40%, com maior incidência na Dinamarca, 55%, e Reino Unido, 49%). Portugal revela, ainda, um índice de confiança superior ao de outros países quando são as instituições europeias que estão em causa, com 36% – mais 4 pontos percentuais que a média. Os inquiridos búlgaros são os mais confiantes, com 45%, seguidos dos dinamarqueses, com 43%. Os checos encontram-se no polo oposto, com 19%.

No caso português, a confiança nas grandes empresas não vai além dos 36%, enquanto bancos, seguradoras e financeiras merecem a confiança de apenas 20% dos inquiridos. Refira-se que esta é uma tendência europeia. A mencionar, igualmente, que apenas 27% dos portugueses inquiridos assumem confiar na Justiça do nosso país, um valor abaixo da média entre os 15 países inquiridos, que é de 32%, enquanto as marcas se encontram entre as mais confiáveis, 49%, um dos resultados mais elevados no que concerne aos 15 países alvo deste estudo – e 3% acima da média global.

 

Ademar Dias

ÚLTIMAS

Há: 5 horas

Há: 10 horas

Há: 11 horas

 

Localização

Rua dos Pelames - Terminal Rodoviário, 1º Andar 8800 Tavira, Portugal

 

 

 

 

 

Contactos

Telefone: +351 281 380 240

Emails:

Geral: horizontealgarve@gmail.com

Secretaria: horizontesecretaria@gmail.com

Redação: horizontenoticias@gmail.com

 
Zircon - This is a contributing Drupal Theme
Design by WeebPal.