N Engenheiros

1 em 3 portugueses apostam na compra de veículos usados

Apesar da crise económica que o setor automóvel atravessa, registando quebras nas vendas acima dos 32% face a 2019, há tendências que se mantêm quase inalteradas e uma delas é a atração pela compra de veículos usados em período de crise.

Numa média a nível global, 25% das próximas compras será efetuada neste mercado. Os portugueses, polacos, sul-africanos, holandeses e franceses são os que, em maior número, ponderam esta hipótese. Chineses, espanhóis e japoneses rejeitam esta perspetiva, numa percentagem de cerca de 90%. Esta tendência permanece de tal forma que, nos primeiros meses de pandemia e face ao período homólogo, a Alemanha registou uma quebra nos registos de veículos novos de 64%, mas de apenas 11% nos veículos usados.

 

Um valor económico seguro

Num contexto em que a tensão económica impactou fortemente as famílias, o mercado de usados faz a diferença, uma vez que dispõe de um orçamento menor para gastar na compra de um novo veículo. O Observador Cetelem Automóvel 2021 procurou identificar os argumentos que reforçam o valor dos usados e destacaram-se a diferença de preço, em comparação com um novo, ser significativa (48%) e um novo modelo desvalorizar de forma mais rápida (34%).

Dentro dos veículos usados há uma categoria que se destaca em particular: os usados com menos de um ano. Cerca de 1 em cada 4 inquiridos consideram-no “um bom compromisso” e 1 em 5 “uma maneira económica de mudar a gama”.

 

Ademar Dias

Partilha este artigo