N Engenheiros

13% dos portugueses querem reequipar a sua casa

O Observador Cetelem questionou os portugueses sobre as suas intenções de consumo para a habitação. De entre os inquiridos, 2% tem planos para mudar de casa até ao fim do ano. E no que respeita a investimentos na habitação, 13% pretendem equipar/ reequipar a sua casa, sendo o principal foco a cozinha (44%), a sala (33%) ou os quartos (14%). Redecorar e remobilar estes mesmos espaços também está nos planos dos portugueses (3%): sala (52%), cozinha (30%) e quartos (27%). Para fazer obras (2%) as divisões que vão merecer mais atenção são a cozinha (55%), os quartos e a casa de banho (18% cada).

Apesar do grande crescimento das compras online registado nos últimos meses, quando se trata de mobiliário ainda existe uma preferência pela compra em lojas físicas (100%). No entanto, na compra de equipamentos, como pequenos/grandes eletrodomésticos e equipamentos de imagem e som (TV, etc), o online já é opção para cerca de 15% dos portugueses. Um valor superior no caso dos acessórios de decoração, com 1/3 a escolher canais online para adquirir este tipo de produtos.

Em comparação com os dados recolhidos em junho, podemos verificar sinais de retoma nas intenções de consumo dos pequenos eletrodomésticos - com mais 2 pontos percentuais (p.p.). Mas uma descida nos eletrodomésticos de imagem e som (-1 p.p.); obras/remodelações (-4 p.p.); e móveis e decoração (-5 p.p.).

Os grandes eletrodomésticos são também uma das categorias onde os portugueses tencionam gastar mais (357,65€). Em pequenos eletrodomésticos os portugueses planeiam gastar em média 74,86€.

De forma generalizada, na compra de produtos para a casa existe preferência pelas Lojas das Grandes Superfícies (90%), no entanto o pequeno comércio ganha maior expressão para a aquisição de acessórios e decoração (23%).

Numa análise ao perfil da habitação dos portugueses, conclui-se que 72% reside em apartamentos, 15% numa moradia com espaço exterior e 12% em moradia sem espaço exterior. Destes, 70% vive em casa própria e 27% em casa alugada.

 

Ademar Dias

Partilha este artigo