Rota do Petisco 2021

98% das viagens dos portugueses no verão foram dentro do país

No verão passado, os portugueses viajaram menos. Foram 6,4 milhões de viagens, o equivalente a uma diminuição de 26,7% face ao verão de 2019, indicam os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). E, como seria de esperar, a esmagadora maioria destas viagens — que aconteceram por motivos de lazer ou férias — aconteceu dentro do país, ainda numa altura de pandemia. As viagens para o estrangeiro afundaram 85%.

Os 6,4 milhões de deslocações feitas entre julho e setembro correspondem a uma quebra de 26,7%. Contudo, esta quebra é bastante inferior à observada no segundo trimestre (65%). “O impacto da pandemia continuou a fazer-se sentir no número de viagens realizadas, no entanto com menos expressão que nos meses anteriores”, diz o INE.

E, como seria de esperar, também somado a todas as restrições de voos que existia nessa altura, a maioria dos portugueses optou por ficar por cá. De todas as deslocações ocorridas entre julho e setembro, 6,2 milhões (97,5%) foram dentro do país, representando, contudo, um decréscimo de 18,5%. Já no que diz respeito a viagens com destino ao estrangeiro, estas totalizaram apenas 161.900 (2,5% do total), o equivalente a uma descida de 84,5%.

No mesmo período, 70% das deslocações (4,4 milhões) aconteceram por motivos de “lazer, recreio ou férias”. Destaque ainda para 24,4% (1,6 milhões) das viagens motivadas por “visita a familiares e amigos” e para as viagens por motivos “profissionais ou de negócios” que totalizaram 171.600, o equivalente a 2,7% do total de deslocações.

Relativamente à estadia média, esta aumentou. Os hóspedes nacionais registaram uma média de 8,41 dormidas, representando um acréscimo de 7,8% face ao mesmo período do ano anterior. E na hora de escolher onde passar a noite, embora os hotéis tenham concentrado 25% de todas as dormidas, o “alojamento particular gratuito” manteve-se como a principal opção (61% das dormidas).

 

Ademar Dias

Partilha este artigo

N Engenheiros