N Engenheiros

Há menos portugueses a pretender comprar um automóvel

O ano de 2019 foi um ano de sucesso para o setor automóvel e a expetativa para 2020 era enorme. No entanto, a pandemia da Covid-19 fez com que tudo mudasse e este setor tornou-se num dos mais fragilizados economicamente, com quebras nas vendas, mas também nos níveis de produção. Houve linhas de produção a estagnar, funcionários infetados com o vírus, e, por tudo isto, o emprego sofreu um impacto direto.

Em Portugal, no ano de 2020, as vendas no setor automóvel registaram quebras acima dos 32% face a 2019, um valor superior ao da média europeia (-28%) e à média a nível mundial (-17%). Este cenário levou a que em abril de 2020 houvesse 1,1 milhões de pessoas deste setor com os seus empregos afetados por toda a Europa, 20.000 em Portugal.

Perante este contexto de incerteza, o Observador Cetelem procurou saber de que forma esta conjuntura afetou a intenção de compra dos portugueses. No fim de 2019, 35% dos inquiridos manifestavam vontade em comprar um automóvel nos 12 meses seguintes; em 2020, este número desceu para 23%, novamente abaixo da média europeia (que também diminuiu de 34% para 27%) e da média a nível mundial (de 41% para 32%).

A pandemia teve impacto direto nessas intenções de compra, ainda que de forma moderada em alguns casos. A nível mundial, pouco mais de um terço dos indivíduos considera a pandemia um fator preponderante na intenção de compra de um veículo. Em Portugal, apenas 1 em cada 5 pessoas fazem essa associação direta, contrastando com países como os EUA e o Reino Unido, onde mais de 1 em cada 2 pessoas referem que foram influenciadas pela Covid-19.

Questionados sobre se a crise sanitária e respetivas consequências económicas terão influência no valor que tencionam gastar na compra de um veículo, 40% dos portugueses inquiridos afirmam que sim, pois será menor o valor que terão disponível; por outro lado, 29% afirmam que o valor disponível será maior. Estes vão ao encontro da média europeia (38% gastarão menos e 25% mais), mas contrastam com a média mundial, em que as respostas se equilibram – 35% considera que gastará menos e 35% que gastará mais.

 

Ademar Dias

Partilha este artigo