N Engenheiros

INE confirma inflação nula em 2020, depois de queda homóloga de 0,2% em dezembro

O Instituto Nacional de Estatística (INE) confirmou esta quarta-feira que a taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) foi de -0,2% em dezembro, igual ao registado em novembro, e a média do ano foi nula.

A variação nula de 2020 sucede a uma taxa de 0,3% registada no conjunto do ano de 2019. Segundo o INE, excluindo do IPC a energia e os bens alimentares não transformados, a taxa de variação média também foi nula (0,5% no ano anterior).

“A diminuição da taxa de variação do IPC entre 2019 e 2020 foi influenciada pelo comportamento da inflação subjacente e pela evolução negativa dos preços dos produtos energéticos, que registaram variações médias anuais de, respetivamente, 0,0% e -5,0% (0,5% e -1,8% em 2019). Os preços dos produtos alimentares não transformados aumentaram 4,0% em 2020, acima do observado no ano anterior (0,9%)”, justifica o instituto.

Em 2020, continua, e tal como verificado em anos anteriores, observou-se ainda um crescimento médio anual mais elevado dos preços dos serviços do que o dos bens.

Com efeito, em 2020, os preços dos serviços aumentaram 0,7% (variações de 1,2% e 1,7%, respetivamente, em 2019 e 2018) enquanto a taxa de variação média dos preços dos bens foi -0,5% (-0,3% e 0,5%, em 2019 e 2018), sinaliza.

Em dezembro de 2020, o IPC registou uma variação homóloga de -0,2%, taxa idêntica à observada em novembro e excluindo do IPC a energia e os bens alimentares não transformados, a variação homóloga foi -0,1% (-0,2% no mês anterior).

Em termos mensais, o IPC apresentou uma variação de -0,1% em dezembro (-0,3% no mês anterior e -0,1% em dezembro de 2019).

O Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português registou uma taxa de variação média de -0,1% em 2020 (0,3% no ano anterior).

A taxa de variação homóloga situou-se nos -0,3% em dezembro, taxa superior em 0,1 pontos percentuais à observada em novembro de 2020 e idêntica à estimada pelo Eurostat para a área do euro.

 

Ademar Dias

Partilha este artigo