SulOffice.pt

Portugal é o país europeu onde mais se vendem livros

Portugal foi o mercado europeu que registou o maior crescimento no sector dos livros. De acordo com dados da GfK, em território nacional a receita aumentou 16,2% e a venda de livros físicos 12,8%. O país destaca-se também como aquele que mais aumentou o preço (+3%) dos livros.

Todos os mercados livreiros analisados (Bélgica, França, Alemanha, Itália, Países Baixos, Espanha e Suíça) observaram um aumento do preço médio dos livros. Em Portugal, o valor situa-se nos 13,75 euros, sendo os títulos mais dispendiosos os de não ficção (16,3 euros) e ficção (15,6 euros). Apesar de ter sido o país onde o valor mais subiu, é nos Países Baixos e na região da Flandres, na Bélgica, que os leitores encontram custos médios mais elevados, 15,78 euros e 15,48 euros, respetivamente.

No que às receitas diz respeito, a Portugal segue-se os Países Baixos e Espanha, com uma variação positiva na receita de 3,2% e 1%, respetivamente, registando os melhores resultados desde 2006. Atrás fica Itália, o último mercado a registar uma taxa de crescimento positivo (0,2%). Apesar do ligeiro aumento do preço médio dos livros, grande parte dos países em análise verificaram quebras na venda de livros físicos, nomeadamente a Alemanha (-1,8%), França (-3%), a Suíça (-3,6%), e as regiões Flandres (-2,3%) e de Valónia (-6%), na Bélgica.

Relativamente a tópicos de leitura, na maioria dos países analisados, incluindo Portugal, as categorias de livros que demonstraram uma variação no crescimento das vendas globais foram os guias de viagens, com uma subida de pelo menos 30% em todos os países em análise. Esta procura reflecte a vontade de viajar por parte dos leitores, condicionados por dois anos de pandemia. Também os estilos Bandas Desenhadas e a Banda Desenhada Japonesa (Manga) apresentaram um elevado aumento na sua procura, seguindo a tendência do ano anterior.

O consumo de literatura em língua inglesa verificou, igualmente, uma grande popularidade. Os títulos mais lidos no último ano demonstraram ainda que a ficção teve um melhor desempenho do que a não-ficção. Além de romances e thrillers, o interesse pelo segmento New Adult também cresceu. A GfK destaca ainda que os temas relacionados com a Rússia, a crise climática e os guias de estilo de vida foram os temas mais vendidos.

 

Ademar Dias

Partilha este artigo