N Engenheiros

Tavira: PSD faz contas à Estratégia Local de Habitação

O Comunicado “Das Palavras... aos Atos”, hoje emitido pela Comissão Política de Secção do PSD Tavira, ataca o executivo socialista que lidera a autarquia tavirense desde 2009 pela inexistência de novas habitações sociais.

Aqui fica, na íntegra, o comunicado emitido:

 

«“Das Palavras… aos Atos”

Se existe algo importante em Política são exatamente as palavras, os argumentos e os contraargumentos, os exercícios de retórica e de discurso, a ênfase e a entoação, entre tantos outros pormenores que enriquecem a forma de fazer política, mas, mais importante que isso tudo, é a honestidade das nossas palavras.

Bem a propósito do tema, diz a Concelhia de Tavira do Partido Socialista, na sua mais recente publicação nas redes sociais que o PSD Local se limita à retórica, politiquice e que pouco ou nada fez em prol dos Tavirenses no que concerne à Habitação Social. Para além de achar que o Partido Socialista exibe aqui uma evidente mostra de ingratidão, ainda se congratula e exorta com o que não passam de vulgares palavras num papel, como já vem sendo um hábito de longa data. Mas esta história tem mais protagonistas, qual Dom Sebastião que reaparece do alto das suas funções Governativas, o Sr. Secretário de Estado e anterior Presidente da Câmara Municipal de Tavira Dr. Jorge Botelho, que em bom estilo de pura retórica, vem dizer que falar é fácil mas fazer é complicado.

Na verdade, fazer deve ser mesmo muito complicado porque para este Executivo do Partido Socialista foram precisos 12 anos, 3 programas eleitorais e 2 Presidentes de Câmara para apresentarem um simples papel. Sim, porque a proposta para uma Estratégia Local de Habitação não passa de um papel sem qualquer impacto direto na vida dos Munícipes.

Um papel incongruente, sem visão, com falta de coerência, que apregoa habitação a custos controlados, mas depois dispõe de um Orçamento de 22 milhões de euros para construir só e apenas, 211 habitações, ou seja, mais de 100 mil euros por habitação, pelo que, tendo em conta a localização das mesmas segundo esta proposta, as habitações serão construídas a preço de mercado e não estão a cumprir os apregoados custos controlados.

Torna-se assim evidente e de fácil compreensão o porquê do PSD abster-se desta votação. Porque se de um lado os Tavirenses precisam, urgentemente, deste apoio, por outro lado, esta não é a Estratégia Local de Habitação que os nossos Munícipes merecem. Os Tavirenses merecem uma estratégia pensada a longo prazo, que reabilite zonas estratégicas do Concelho, que recupere as obras embargadas e ao abandono que existem no concelho, que promova a inserção social, que promova a criação de emprego, que promova a retenção de jovens no Concelho, que crie dinâmica nas localidades, associações e coletividades, que traga com ela acessos e acessibilidades a pessoas com mobilidade reduzida.

Em 12 anos o Partido Socialista foi sempre força maioritária no poder e conseguiria sempre aprovar uma Estratégia Local de Habitação na Assembleia Municipal, no entanto optaram por não o fazer e agora, numa manobra meramente eleitoral, onde terminam e inauguram obras perfeitamente cronometradas com o final do seu mandato, coincide com o anuncio de novos investimentos e promessas para o próximo ciclo o que se irá tornar habito nos próximos meses afim de mascarar a incapacidade de aquilo que não conseguiram concretizar em 12 anos.

Não venham apontar o dedo ao PSD porque a história não se apaga. No último executivo do PSD liderado pelo Engº Macário Correia, foram construídas 460 novas habitações sociais, exatamente em igual período de tempo, três mandatos consecutivos, tal como o PS.

Pelo que, enquanto uns ficam-se pelas palavras vãs em programas eleitorais, outros fazem a obra acontecer.

 

Com os melhores cumprimentos,

A Comissão Política de Secção do PSD Tavira»

Partilha este artigo