N Engenheiros

Ter um carro elétrico para a família custa menos 219 euros do que um a gasolina

Em Portugal, ter um carro para a família movido a energia elétrica já é mais barato do que um veículo com motor de combustão interna, a gasóleo ou gasolina. A diferença pode chegar aos 100 euros por mês, se a comparação for feita com um carro a diesel, e a 219 euros face à motorização a gasolina.

A conclusão é do Índice Anual Car Cost Index 2020 da LeasePlan, que analisa o custo total de ter um automóvel — incluindo combustível, depreciação, impostos, seguros e manutenção — em 18 países europeus: Áustria, Bélgica, República Checa, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Países Baixos, Noruega, Portugal, Espanha, Suécia, Suíça e Reino Unido.

O documento revela que em Portugal ser proprietário de um carro familiar custa 811 euros para um elétrico, 910 euros se for a gasóleo e 1.030 euros na gasolina. Neste segmento de média dimensão, os veículos com emissões reduzidas custam mensalmente 840 euros em França, 845 euros na Suécia, 918 euros no Reino Unido, 930 euros em Espanha, 938 euros na Alemanha, 942 euros nos Países Baixos e 945 euros em Itália. Em todos estes países, a versão elétrica custa menos do que a equivalente a gasolina, mas só em Itália a poupança entre um e outro é maior do que em Portugal e chega a 260 euros por mês.

“Os veículos elétricos no popular segmento médio familiar são totalmente competitivos em termos de custos em comparação com os veículos com motor de combustão interna em 14 países, incluindo Áustria, Bélgica, Dinamarca, França, Alemanha, Irlanda, Itália, Países Baixos, Noruega, Portugal, Espanha, Suécia, Suíça, Reino Unido”, revela o estudo.

A LeasePlan diz que os principais fatores contribuintes para esta tendência são: O custo mais elevado do gasóleo e da gasolina; o cada vez maior número de subsídios e vantagens fiscais disponíveis para veículos elétricos; e a tributação mais elevada para efeitos de registo e circulação, especialmente no caso do gasóleo.

Tex Gunning, CEO da LeasePlan, afirma que “a boa notícia é que os custos dos elétricos estão a baixar e estamos a assistir ao desenvolvimento de um forte mercado em segunda mão para os veículos de qualidade usados”.

Em sentido contrário, considera, “a má notícia é que os governos não estão a fornecer as infraestruturas de carregamento necessárias para satisfazer a procura do mercado. Os decisores políticos nacionais e locais precisam de acelerar agora e investir numa infraestrutura de tarifação universal, acessível e sustentável para permitir que todos façam a mudança para veículos elétricos. Apoiar a transição para a mobilidade elétrica é o melhor investimento que os governos podem fazer”, disse, citado em comunicado.

Já nos segmentos utilitário e pequeno utilitário, o cenário inverte-se e Portugal ocupa o 10º lugar no custo mensal de propriedade de um carro, com um custo de 651 euros para os veículos a gasolina, 672 euros para carros a gasóleo e 686 euros nos elétricos.

De acordo com o Car Cost Index, o custo médio mensal de conduzir um veículo na Europa pode variar até 453€ por mês: com a Suíça no topo da tabela com 926 euros, e a Hungria como o país mais barato (sobretudo na gasolina), com um carro a custar 491 euros mensais. Suíça e a Noruega são os países onde é mais caro conduzir veículos com motores a combustão interna. A Grécia é o país onde um carro a gasóleo pesa menos na carteira.

Quanto aos elétricos, são os mais económicos em oito países europeus — Alemanha, Itália, Países Baixos, Noruega, Portugal, Suécia, Suíça, Reino Unido — no segmento de veículos compactos (pequeno familiar), enquanto no segmento de média dimensão custam menos em 14 países. “De momento, nenhum país apresenta veículos elétricos económicos no segmento executivo”, revela o estudo.

Esta análise da LeasePlan tem em consideração todos os custos envolvidos na propriedade e utilização de um veículo em cada país, incluindo combustível, desvalorização, impostos, seguro e manutenção. Na edição de 2020, é efetuada a média de custos dos primeiros quatro anos de propriedade, tem em conta 30.000 km anuais. Para efeitos do índice, o “custo competitivo” diz respeito aos “veículos elétricos que não chegam a ser 5% mais caros do que os seus equivalentes com motores de combustão interna”.

Para avaliar a competitividade de um veículo elétrico face a um veículo a combustão, diesel ou gasolina, deve ser comparado o custo total de propriedade de dois veículos do mesmo segmento. O índice da LeasePlan dá um exemplo real: um Nissan Qashqai a diesel tem um custo mensal de 552 euros, 33 euros mais caro (+6,5%) do que um Nissan Leaf elétrico (519 euros).

De ano para ano, o estudo varia nos modelos de automóveis incluídos, nos países inquiridos e no período de propriedade assumido e inclui as melhorias tecnológicas gerais (incluindo baterias mais potentes e energeticamente eficientes em certos veículos elétricos).

A LeasePlan tem 1,9 milhões de veículos sob gestão em mais de 30 países e comprometeu-se a atingir zero emissões líquidas na sua frota total até 2030. A LeasePlan é também um parceiro fundador da iniciativa EV100 do The Climate Group, lançada no âmbito da Assembleia Geral da ONU em setembro de 2017.

 

Ademar Dias

Partilha este artigo