N Engenheiros

Um ano de pandemia: atividade turística contraiu mais de 70%

Entre março de 2020 e fevereiro de 2021, o setor do alojamento turístico registou 8,0 milhões de hóspedes e 20,0 milhões de dormidas, refletindo diminuições de 70,9% e 71,7%, respetivamente, face ao acumulado dos 12 meses anteriores, de acordo com os dados divulgados, esta quarta-feira, pelo INE.

As dormidas de residentes decresceram 44,1% e as de não residentes diminuíram 83,7%, de acordo com a agência de estatísticas.

Durante o primeiro ano de pandemia da Covid-19, os proveitos atingiram 1,1 mil milhões de euros no total (-73,7%) e 863,3 milhões de euros relativamente a aposento (-73,5%), o que representou reduções de 3,2 mil milhões de euros e 2,4 mil milhões de euros face ao acumulado dos 12 meses anteriores, respetivamente.

 

Proveitos deslizam 90% com novo confinamento

O setor do alojamento turístico registou 208,2 mil hóspedes e 472,9 mil dormidas em fevereiro de 2021, correspondendo a variações de -86,9% e -87,7%, respetivamente (-78,8% e -78,5% em janeiro, pela mesma ordem).

"Desde o início da pandemia, fevereiro foi o terceiro mês com maior redução do número de dormidas, tendo sido apenas ultrapassado por abril e maio de 2020 (-97,4% e -95,8%, respetivamente)", adianta o INE. Fevereiro de 2021, recorde-se, foi um mês marcado pelo segundo confinamento em território nacional.

Os proveitos registados nos estabelecimentos de alojamento turístico atingiram 18,6 milhões de euros no total e 14,3 milhões de euros relativamente a aposento, correspondendo a variações de -90,5% e -89,7%, respetivamente (-81,4% e -81,0% em janeiro, pela mesma ordem).

No conjunto dos estabelecimentos de alojamento turístico, o rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) situou-se em 5,7 euros em fevereiro, diminuindo 80,1% (-71,7% em janeiro). O rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu 47,2 euros em fevereiro, o que se traduziu numa variação de -27,9% (-20,0% em janeiro).

 

Ademar Dias

Partilha este artigo